17/03/10

Procissão do Senhor dos Passos em Ovar

Procissão nocturna, com a imagem de N.ª Sr.ª da Soledade, vinda da Capela do Calvário a caminho da Igreja Matriz, na antevéspera dos Passos


Passos de Ovar e os “calvários” de hoje

A manhã serena e cálida fazia prever uma tarde tranquila, pré-primaveril. Assim veio a acontecer, com o senão da presença, já proverbial nos dias dos Passos, de um vento suave mas persistente. Os forasteiros foram chegando, juntando-se aos devotos vareiros que rumavam em direcção à Igreja, para o primeiro sermão da tarde.

O Coral Sacro do Orfeão de Ovar, sob a direcção do maestro Rui Ferreira, cantando o Miserere
Na Matriz, regurgitando de fiéis, destacavam-se, em pequenos grupos, as autoridades cívicas locais – os Presidentes da Assembleia e da Câmara Municipal e o Presidente da Junta –, as Confrarias dos Passos de Ovar e de Válega, as Irmandades do Santíssimo de S. Cristóvão e de S. João e a da Santa Casa da Misericórdia, a Direcção Nacional das Ordens Terceiras Franciscanas (com representantes de Barcelos, Algarve, Lisboa e Ovar), e o Agrupamento de Escuteiros.
Presidiu às cerimónias o Pároco local, P.e Manuel Pires Bastos, acompanhado pelo Vigário da Vara e Pároco de S. Vicente de Pereira e de S. João de Ovar , P.e Augusto Silva, bem como pelo Diácono António Poças [na foto], que proferiu os três sermões tradicionais – do Pretório, do Encontro e do Calvário.
Partindo de um trecho da carta de S. Paulo aos Romanos, em que se fala do amor misericordioso que Deus quis partilhar com os homens através da missão redentora de Jesus Cristo, injustamente condenado à morte, e citando o testemunho de Maria, sua Mãe, que o acompanhou no caminho doloroso do Calvário, o orador procurou confrontar-se e confrontar os ouvintes com os grandes dramas do tempo actual, em que há vítimas inocentes, para quem tarda uma resposta reparadora da justiça dos homens.
“Para que esta Justiça se realize, Cristo quer que os discípulos desta hora confirmem com a fé e com as obras a validade e actualidade do Seu Sacrifício Redentor. Isso, caros amigos e irmãos, é tarefa indeclinável de cada um de nós. Não se espera outra coisa dos discípulos!”, concluiu o Diácono Poças.


Andor do Senhor dos Passos
Andor de N.ª Sr.ª das Dores

Para além da incorporação das diversas Confrarias e de outros participantes com as respectivas insígnias, do Orfeão de Ovar e da “Verónica” Clara Maia (na foto), tomou parte no préstito religioso, após os elementos da Banda Ovarense, um grande número de fiéis.
Refira-se o excelente apoio dado à Irmandade dos Passos pelos responsáveis da Ordem Terceira de S. Francisco na montagem dos andores e na organização da Procissão, bem como o bom gosto dos enfeites por parte das zeladoras, que se vão mantendo, ao longo dos anos, nas respectivas capelas, quase sempre em cadeia geracional.
Fotos da autoria de P.e Bastos (1), Fernando Pinto (2, 5, 6, 7, 8 e 10) e António Mendes Pinto (3, 4, 9, 11, 12 e 13)

Sem comentários: