03/11/10

"Mãos Solidárias"

(...) Em 1891/1892, no poema “Lusitânia no Bairro Latino”, o poeta António Nobre, em Paris, convidava os povos de outras nações a visitarem o seu país de marinheiros para verem, entre outras coisas de que ele saudosamente se recordava, as romarias e procissões, focando essa triste realidade da miséria que havia em Portugal naquele tempo, e que se foi prolongando até aos nossos dias…!
Actualmente não se vê com tanta frequência este quadro confrangedor. Mas a pobreza persiste, e hoje, talvez, com maiores dimensões do que naquela época, constatando-se que se ela sempre existiu, é nos períodos mais adversos como o que actualmente atravessamos que ela se torna mais visível. De facto, as guerras, as catástrofes naturais e outras causas como o desemprego arrastam para a miséria as populações, especialmente as mais fragilizadas…
Felizmente que, para suprir um pouco essas dificuldades, há sempre quem se disponibilize para servir os mais necessitados, fazendo voluntariado numa ou mais organizações distribuindo alimentos, roupas e outras ajudas de vária ordem, enquanto outros, individualmente e de forma anónima, vão praticando actos de beneficência.
Ainda há pouco tempo, no Salão Paroquial, um grupo de senhoras ("Mãos Solidárias") que todos os dias ali serve refeições a carenciados da nossa terra, referiam pessoas que deixam as suas ofertas em géneros alimentícios e dinheiro, sem quererem identificar-se ou publicitar os seus nomes.
Alguém comentou que são “ofertas vindas do céu”.
Neste momento, em que impera o egoísmo, devemos louvar esta gente que, muitas vezes prejudicando a sua própria vida, deixa tudo para servir os mais necessitados.
Embora a maior parte destas organizações de bem-fazer tenham ligação à Igreja através das suas paróquias e instituições, também as há de outras origens religiosas ou de vocação laica, seguindo os princípios universais que Jesus Cristo lhes legou, como projecto de fraternidade, ao propor ao jovem rico “amarás o teu próximo como a ti mesmo”.
Texto de José de Oliveira Neves

Sem comentários: