17/11/12

Órgão de tubos da Matriz de Ovar tem 150 anos

Órgão de tubos da Igreja Matriz de Ovar
Data de 1862 o órgão de tubos que se encontra na Igreja Matriz de Ovar, oferecido por António Ferreira Meneres, cujo pai, também António Ferreira Meneres, falecido em 1860, tinha oferecido, pouco antes, o presépio artístico que se conserva na base do retábulo da Capela-mor do mesmo templo.
Este órgão (na foto), que João Frederico Teixeira de Pinho (1848-1870) designa, na sua obra “Memórias e Datas”, de “pequeno órgão”, sucedeu a um outro mais antigo, a que o mesmo autor se refere como “magnífico órgão que deixaram desfazer e roubar lentamente em nossos dias!”.
Na atualidade tem sido extraordinária, por todo o país, a recuperação de órgãos históricos e mesmo a aquisição de órgãos modernos, alguns de grandes dimensões, o que significa o respeito pelo “rei dos instrumentos” e a sua importância na execução das maravilhosas peças que lhe dedicaram os grande nomes da música clássica e religiosa, como Bach, entre os antigos, ou como Massien entre os modernos.
O livro “Memórias e Datas para a História de Ovar”, escrito há mais de 142 anos, ficou inacessível à generalidade dos leitores até 1959, ano em que a Câmara de Ovar o publicou.
O órgão de tubos sucedeu ao órgão portátil, tendo ambos como antecessores na música religiosa a viola, a cítara, o alaúde, a flauta e a gaita-de-foles, e como seus contemporâneos (séculos XVII/XVIII), o violino, o oboé, etc.

[CLIQUE NOS LINKS A AZUL]

Sem comentários: