16/07/15

Francisco surpreende com “Laudato Si”

O Papa Francisco publicou a encíclica “Laudato Si”, 298.º documento do género na história da Igreja Católica (e o 3.º do seu pontificado), onde o Papa desempenha, a nível universal, a sua autoridade como su­cessor de Pedro. Os anteriores são “Lumen Fidei” (A Luz da Fé), na qual Francisco re­colhe reflexões de Bento XVI, e a exortação apostólica “Evangelii Gaudium” (A alegria do Evangelho).
Com Gregório XVI (1831-1846), o termo encíclica tornou-se do uso geral.
A palavra encíclica vem do grego e significa “circular”, carta de âmbito universal que o Papa enviava às Igrejas em comunhão com Roma, empe­nhando a sua autoridade como primeiro responsável pela Igreja Católica.
O título de uma encíclica é o começo do texto, e procura, de forma genérica, ensinar sobre um tema doutrinal ou moral, avivar a devoção, condenar os erros ou informar os fiéis sobre eventuais perigos para a fé.
Quando tratam de questões sociais, económicas ou políticas – caso desta, que aborda o respeito pela natureza e pela vida –, as encíclicas são dirigidas não só aos católicos mas também a todos os homens e mulheres de boa vontade, prática iniciada pelo Papa João XXIII com a sua encíclica “Pacem in Terris”.
Bento XVI (1740-1758) reavivou o antigo costume de enviar “cartas circulares” a outros bispos, abordando temas de doutrina, moral ou dis­ciplina que afetavam toda a Igreja.

Sem comentários: